Membros Participantes

Cadastre seu e-mail para receber novidades

segunda-feira, junho 10, 2013

8

De volta ao passado...(Parte 4)

Um detalhe que não mencionei no primeiro post é que para se tornar operador da Faixa do Cidadão "à época da Ditadura Militar" ( +- em 1971), antes de proceder os testes de conhecimento o "candidato" passava por uma espécie de "pente fino", e toda sua vida era pesquisada pelos militares ao longo de 30 dias em média. Caso não fosse confirmado qualquer vínculo com qualquer atividade comunista, se fosse aprovado nos testes de conhecimento, recebia então o indicativo de chamada. Se o candidato tivesse um resquício de vínculo... já sabe.

Engraçado dizer isso, mas uma das exigências para saber se o cidadão era "nacionalista" ou comunista, era forçá-lo a cantar o Hino Nacional, como se os comunistas não soubesses... e muitos inocentes foram presos por simplesmente não saber o Hino de cor. Este método era amplamente aplicado em todas as áreas. Imagine se o governo exigisse isso hoje, a quantidade de pessoas que seriam presas.
Lembrando que a prática de cantar o Hino Nacional nas escolas era obrigatória. Prática oriuda do regime Militar.
Lei federal nº 12.031/09, que inclui esta obrigatoriedade na Lei dos Símbolos Nacionais, de 1971

Manchester Mineira e o porquê do nome AMPX.
Com a turbulência política e social da época, um pedacinho do Brasil se destacava por conta da industrialização, Juiz de Fora, que foi carinhosamente chamada de Manchester Mineira, fazendo referência à cidade Britânica de Manchester.
Rua Halfeld 1930
A grande crise econômica de 1929 refletiu negativamente nos municípios mineiros ligados à cafeicultura, mas foi ai que o setor industrial, que "surgiu entre 1850 e 1930" emergiu, tornando a Zona da Mata Mineira um grande polo industrial (leve em consideração a proporção dos grandes polos, como São Paulo e Rio de Janeiro).
Vale um adendo: enquanto aconteciam as Grandes Guerras, o setor industrial emergia enquanto o cafeeiro decaía, e quando cessavam este período, o setor industrial decaía, e emergia novamente o cafeeiro, até que os conflitos cessaram e o setor industrial ficou abalado com a globalização.

Tempos depois, no período mais crítico da censura autoritária - 1981, no dia 14 de março, surge então a Associação Manchester de PX - AMPX, em Juiz de Fora, com a finalidade de movimentar e organizanar a Faixa do Cidadão, assim como formar bons radio-operadores e radioamadores.
A Associação de PX era muito ativa em todos os segmentos da sociedade, e no período de ouro da Faixa do Cidadão promoveu constantemente eventos aos quais marcaram época, posteriormente surgiu até um Prefeito da cidade que era ativo do Grupo, mas este caso isolado não teve nada a ver com a AMPX. Este, e outros assuntos, ficam para o próximo post.
Aguarde...
((•)) Ouça este post

8 comentários:

Anônimo disse...

sem comentários... perfeito!

Cláudio
Barbacena MG

Anônimo disse...

Brasilidade, era isso que se exigia, porque os comunas já infiltrados nas escolas e montando sindicatos pregavam desobediência nacional, em primeiro lugar desrespeitando os poderes superiores e a não cantar os Hinos Nacional e o Hino a Bandeira. E como conseguiram e hoje estão no comando fazem e dizem o que querem, até mesmo pregando pornografias nas escolas.

Anônimo disse...

Brasilidade, sentimento de pátria, como vestir a camisa... tudo bem.

Você acha realmente que o cidadão não pode discordar em nada do governo?

Você mesmo está discordando de atitudes do governo em pregar pornografia nas escolas, então como pode esperar que naquela época as pessoas deviam engolir qualquer decisão do governo sem questionar?

Você pode questionar, o resto dos brasileiros não?
Hum...

Anônimo disse...

o assunto é deveras complexo...

Bee
rRio de Janeiro RJ

Anônimo disse...

hoje podemos questionar o que for, que simplesmente ninguém nos bate na cara, ninguém nos tortura, ninguém faz covardia conosco.
Queria ve esses direitos durante a Ditadura.
Ótimo post Alemao. Dale História nesse povo que desconhece sua essência.

Arthur Vidigal
Brasilia DF

Anônimo disse...


GREAT TOPIC
HALLF G.
Tarnowskie Góry, PL

Anônimo disse...

escreve bem hein cara!
Teco - Maceió AL

Marc S disse...

Saudações à todos.

Fiquei muito contente com a publicação deste debate. Uma questão que me inquieta bastante nos 11 metros e faixas de radioamador é a censura que a legislação nos obriga, mas a pior censura é a auto-censura.
Percebo sobretudo no seguimento das faixas de radioamador, uma censura muito grande com relação ao que se fala, acredito que pelo fato de ser um segmento hegemonizado por grupos conservadores, sobretudo militares e os que adotam práticas e discurso conservadores.
Sim, os que no período supracitado no post buscavam impor uma ideologia moralista, nacionalista, de coesão social, de criação de uma idéia de Brasil. etc.
Não acredito no conceito restrito, conservador e saudosista que muitos radioamadores reproduzem pelas faixas. De que é uma atividade para se debater somente assuntos técnicos e ponto.
Esse tipo de discurso mostra uma intolerância à diversidade de pensamento e negação à liberdade de expressão, sendo esta, necessidade daquele que é humano, ou seja, todo ser humano tem a necessidade de expressar-se e de propor pontos de vista.

Bom, espero ter causado inquietações e possíveis reflexões sobre a temática.

Esse é um tema muito complexo e não podemos cair em "achismos". Nesse caso devemos recorrer aos teóricos que falam ou falaram sobre determinados temas.
Recomendo um texto de uma filósofa chamada Marilena Chauí que trata da construção da sociedade brasileira.

http://www.haroldoreimer.pro.br/pdf/Brasil_-_Chaui.pdf

http://pt.scribd.com/doc/7011303/Marilena-Chaui-Brasil-Mito-Fundador-e-Sociedade-AutoritAria

Sem instrumentos, não adianta!

Sem instrumentos, não adianta!
clique na imagem

Postagem em destaque

Consertando e ajustando pastilhas de wattímetro Bird

"Para aqueles que acham que este instrumento é incorruptível", é bom saber que os wattímetros Bird usam elementos removíveis, cha...

→ TVi ↓

TVi é um dos problemas mais sérios que o radio-operador pode sofrer. Pensando nisso, aqui vai algumas dicas seguras sobre como evitar este problema.

1º Cabo: Tem gente que acha que é só soldar o fio no conector e está tudo certo. Ledo engano!

Antes de soldar o conector, certifique-se que a malha esteja totalmente prateada, brilhando. Caso não esteja, substitua o cabo, ele está oxidado. "É a ação do tempo".

2º Conector: Verifique a qualidade do conector no ato da compra, e caso seu conector esteja a anos sendo utilizado (ou guardado), passe uma lixa fina por dentro no local onde encaixa a malha. Não deve haver nenhum tipo de sujeira ou sinal de oxidação.

3º Conector fêmea do rádio: Utilize uma chave de estria tamanho 19 e aperte a porca. Mal contato é um problema sério. Verifique a solda interna após o reaperto.

4º Não utilize antena tipo 5/8 caseira entre prédios e condomínios que estejam em locais mais altos que sua estação à distâncias menores de 10 metros. Lembre-se que a antena 5/8 irradia em ângulo reto, e a antena de tv do vizinho pode ser aquele famoso "bombrill".

Escolha sempre antena 5/8 industrial. Se for caseira utilize 1/4 de onda, pois seu lóbulo de irradiação aponta a ionosfera, ao invés do horizonte, como no caso da 5/8.

5º Não abra o ALC do equipamento. O ALC libera espúrios. Ao abrir potência do equipamento mantenha a proteção ALC. Da mesma forma que fazemos em nosso laboratório. Isso é imprescindível. Abrir ou aumentar potência não tem nada a ver com liberar ALC. Isso é para incompetentes e palitadores. Se abrir a potência do equipamento lembre-se de deixar o ALC atuando.

6º Estacionária: Nunca se esqueça que estacionária baixa não tem nada a ver com ressonância. A antena pode estar com roe ótima em determinado local, mas ressonar lá na casa do...

7º Identificar o "plano terra": Plano terra não tem nada a ver com antena plano terra. Você deve saber onde é o plano terra de sua estação, e o mesmo não tem nada a ver com o solo. Descobrindo o plano terra, a partir dele você saberá qual é a altura ideal para sua antena. Respeitando esta regra, além do rendimento otimizado de sua Estação, jamais correrá riscos de TVi. Dúvidas?

Consulte-nos.

→ Power RF Aprenda ↓

Photobucket

Como saber a potência correta sem ser enganado?

Primeiro, pesquise sobre o DATASHEET do transistor do seu rádio, leia a respeito, verifique a potência máxima levando em consideração a voltagem do transistor. A base de cálculo é a fonte de alimentação, então o parâmetro é 13,8 volts.

Se apresenta 8A de consumo em amperímetro digital "com congelamento de pico máximo", basta multiplicar 13,8v por 8A e o resultado dividir por 2.66, eis a potência correta, que são 41,5 watts de envelope - PEP. Em miúdos, no assovio tem que dar 41,5 watts, e na modulação 60% por conta do péssimo modulador original, então restam quase 25 watts de modulação real. Viu porque não adianta palitar? Girar ou abrir posição de trimpot apenas gera mais calor, e calor é igual a perda. Quanto mais se aquece o transistor, mais fecha a entrada de gate quando aquecido, e por isso você precisa alterar alguns componentes na saída, porque eles impedem o rendimento da potência final (isso só serve para rádios PX).

Um rádio na atualidade - 2015 - original apresenta 20w PEP SSB em média, então você tem 13,8v X 4A de consumo, que é = 55.2w Dividido por 2.66 = 20,75w efetivos. Ou seja, fonte de 5A para esse rádio original toca com folga.

Rádios com upgrade apresentam consumo entre 12A e 16A "em média" para mais, então você tem 13,8v X 12A = 165,6W em calor (em perda) divididos por 2,66 = +- 60w que representa o % aproveitável, e em média máxima "para 13,8v". Com voltagens DC to DC na alimentação, essa potência pode ultrapassar os 100 watts aproveitáveis, mas não há área de dissipação, então não recomendo. A bem da verdade, eu literalmente pago para ver alguém conseguir reproduzir o sistema que patenteamos, DC to DC.

Se utilizar bateria de 12v, o consumo em amperagem é maior. Quanto maior a voltagem, menor consumo em amperagem, quanto menor voltagem, maior consumo em amperagem.

By: Lei de Ohm.

Medições fora deste parâmetro são equivocadas.

Fale comigo

→ Dica de Segurança

A vantagem do Rádio na estrada, além da possibilidade de fazer grandes amigos, é saber o que está acontecendo lá na frente. Um possível deslizamento, bloqueio de pista, uma possível blitz falsa, assaltos, áreas perigosas, carros suspeitos e acidentes. Na verdade, o operador da Faixa do Cidadão precisa de muita malícia, porque em todo lugar haverá maldade e oportunismo. Já houve caso de amigo que quase foi morto em emboscada armada através de convites feitos na própria faixa. Pessoas que se passaram por radio-operadsores o chamaram para tomar um café e o mesmo foi, sem maldade nenhuma, mas estavam na verdade de olho em sua carga de remédios, relata João, Estação Cachorro Louco (Juiz de Fora MG). Portanto amigos, é possível sim fazer do rádio um ambiente saudável e seguro, basta denunciar quaisquer irregularidades e ficar atentos a desvios de conduta. Aproveite e faça sua parte, seja cordeal, e não se misture com radio-operadores que desrespeitam a faixa utilizado linguajar de baixo calão. Em caso de problemas, procure um posto da Polícia Rodoviária Estadual/Federal.

Oferecimento:

PXJF YOUTUBEadio.com.br

→ WATTÍMETRO BIRD - SAIBA TUDO


AUTO/ INFRAÇÃO /MULTA /IMPEDIMENTO/ LICENCIAMENTO EM MINAS GERAIS